Podemos confiar em videntes e médiuns? Como distinguir charlatães?

podemos-confiar-médiuns-e-como-distinguir-charlatões

O assunto deste artigo é polêmico, é verdade.



Mas serve como um aviso para aqueles que buscam respostas do mundo espiritual para os problemas da vida. Quem nunca?

A verdade é que devemos ser cuidadosos, muito cuidadosos, com o que ouvimos das entidades. Nunca devemos pegar ferro e disparar qualquer tipo de mensagem do além. A mediunidade é uma realidade, mas nem todas as mensagens espirituais e mediúnicas devem ser poupadas de um pouco de ceticismo.



Desenvolvendo Mediunidade

Se um homem realmente tem muita fé, ele pode se dar ao luxo de ser cético Friedrich Nietzsche

O problema começa aí. Você está procurando um centro espiritualista, umbandista ou qualquer que seja a linha espiritual do lugar e ouve que tem mediunidade e precisa se desenvolver. O que é uma notícia incrível para quem vive a espiritualidade de perto e busca esse suporte para direcionar suas vidas. E aí vai, faz aulas de desenvolvimento ou, dependendo do caso, vai direto para as incorporações.



Até agora tudo bem. Mas veja, quase nenhum diretor ou médium de centro é clarividente. A clarividência é uma habilidade rara de se encontrar. O que significa que a maioria das direções de uma casa são passadas pelas entidades incorporadas e poucos médiuns (às vezes nenhum) estão realmente vendo quem está lá, quem é essa entidade. E nisso, há muitos lugares que recebem conselhos de encosto, kiumbas, ou qualquer que seja o nome que a linha em questão use. E eles sempre dirão que não existe tal coisa, mas se você mesmo não vê o que está acontecendo, sempre suspeite.

A mediunidade faz parte da natureza. Somos todos médiuns, uns mais, outros menos desenvolvidos, e trocamos energias uns com os outros. Zibia Gasparetto



E mesmo para quem vê os espíritos, nem sempre é fácil identificar quem são as personalidades que se apresentam. O espaldar tradicional, o estereótipo do espírito sofredor existe, mas não só a soleira é feita deles.

Existem muitos espíritos inteligentes e poderosos que habitam o umbral e que são capazes de moldar formas, identidades e dar conselhos como se fossem entidades de luz. O ego dos médiuns (que não é nem maior nem menor que o ego da natureza humana) sempre dirá que sei me identificar ou sinto a energia, não há como ser enganado ou, mesmo confio em meus guias, mas o A verdade é que todos nós estamos sujeitos a esse tipo de assédio mais inteligente. Waldo Vieira e outros médiuns já trataram desse assunto, que ainda parece tabu nas casas espíritas. Por isso tem cuidado.

O animismo está sempre presente



Essa é outra questão que devemos levar em consideração ao se tratar do universo mediúnico: o animismo. Sim, está sempre presente, seja de forma mais intensa ou menos intensa. O animismo nada mais é do que a interferência da consciência do médium em mensagens passadas. Essa questão é descrita no Livro dos Médiuns, de Allan Kardec (capítulo XIX).

A pergunta feita por Kardec foi: As comunicações escritas ou verbais também podem ser do próprio espírito do médium?

A resposta obtida foi a seguinte:

A alma do médium pode se comunicar como qualquer outra. Se ela goza de certo grau de liberdade, então ela recupera suas qualidades espirituais. Você tem a prova ao visitar as almas de pessoas vivas que se comunicam com você, muitas vezes sem serem chamadas. Porque é bom saber que entre os espíritos que você evoca há aqueles que estão encarnados na Terra. Nesse caso, eles falam com você como espíritos e não como homens. Por que a mídia não poderia fazer o mesmo? .





Se assumirmos que a maioria dos médiuns é semiconsciente, isso significa que a maioria deles está lá, consciente, enquanto a entidade se envolve e usa o corpo do médium para se comunicar. Isso não quer dizer que médiuns inconscientes não possam sofrer de animismo, porque podem.

27 de março signo do zodíaco

Mas é, na verdade, mais difícil, pois ficam totalmente inconscientes durante o transe mediúnico e não se lembram de nada do que foi dito durante o serviço. Mas ainda há um encontro de consciências, ou seja, o espírito ainda depende um pouco da base de conhecimento do médium para se comunicar.

Um exemplo muito comum que podemos perceber facilmente é a própria linguagem: um médium fala uma palavra específica incorretamente e, quando incorporado, continua a falar essa mesma palavra incorretamente. Portanto, podemos dizer que nenhuma mensagem espiritual de uma incorporação ou qualquer outro fenômeno espiritual está livre do animismo, o que torna este universo ainda mais nebuloso. Portanto, é sempre muito necessário investigar a seriedade não só do médium que você está aconselhando, mas também da casa que você está frequentando. Esteja sempre atento, confie com suspeita.

O charlatanismo é uma realidade

Os dois tópicos acima dizem respeito aos médiuns de fato, isto é, pessoas que são capazes de se comunicar com os espíritos. Se eles são da luz ou o grau de animismo que sofrem é discutível, mas na verdade estamos lidando com médiuns. Nesse tópico, o alerta é para o fato de que existem muitos charlatões no esoterismo, muitos.

Pessoas que reivindicam mundos e fundos de poder e, na verdade, estão apenas enganando você para ganhar dinheiro com sua ingenuidade. Isso é mais antigo do que andar para frente e existe em todas as áreas humanas, e com a espiritualidade não seria diferente.



Uma faculdade mediúnica não pode ser motivo de suspeita, pois existe uma aptidão real. O correto é agir sempre de boa fé para obter um resultado satisfatório. Infelizmente, qualquer coisa pode se tornar um objeto de exploração; não existe charlatanismo desinteressado. Se alguém se sente coagido, a melhor coisa a fazer é mostrar desinteresse; a resposta mais peremptória que pode ser oferecida àqueles que desejam nos alcançar
Allan Kardec

Existem até muitas técnicas utilizadas por esse tipo de pessoa e são conhecidas por quem estuda espiritualidade um pouco mais a fundo. Quer conhecer alguns?

1. Efeito Forer

O primeiro efeito tem a ver com a abertura mental que naturalmente temos ao receber mensagens astrais, pois, quase sempre, somos nós que as procuramos. Assim, já temos uma receptividade imensa que nos faz acreditar que uma descrição genérica feita a partir do conhecimento adquirido sobre a mente humana, é, na verdade, uma descrição altamente fiel à nossa personalidade. Eles parecem muito assertivos e exclusivos, mas, na realidade, eles se encaixariam na maioria das pessoas que vivem na Terra. Quer ver alguns exemplos?

Você é extrovertido com os amigos, mas gosta de ficar sozinho em alguns momentos;
Você tende a pensar de forma independente. Não aceite nada do que eles dizem sem ter qualquer prova;
Às vezes você não consegue dormir, porque fica pensando em todas as coisas que gostaria que acontecesse ou nos seus problemas;
Você perdeu alguém que ama;
Algo está incomodando você, você tem um problema;

Todas essas frases são exemplos clássicos de afirmações que parecem pessoais, mas são totalmente vagas para qualquer pessoa. E como a validação é sempre subjetiva, isto é, feita por nós, isso nos torna ainda mais suscetíveis a acreditar no que dizem os charlatães.

2. Efeito Hans



No final do século 19, início do século 20, o matemático alemão Wilhelm von Osten tinha um cavalo chamado Hans. O matemático afirmava que seu cavalo sabia fazer cálculos e dava respostas numéricas batendo com a pata. Mas, graças à investigação do psicólogo alemão Oskar Pfungst, ficou evidente que o cavalo não calculou nada, mas respondeu à linguagem corporal de quem o perguntou: quando o número de toques se aproximou da resposta correta, a pessoa quem fez a pergunta ficava tenso, e quando o cavalo atingia o número correto, a pessoa relaxava. Então Hans iria parar de chutar suas patas.

sinal de 16 de agosto

Os charlatães podem usar esse mesmo método muito rapidamente. Por exemplo, eles podem dizer: Ultimamente, você tem tido problemas com um homem ... não, com uma mulher. Jogam verde com base nos problemas mais comuns dos consultores, como dinheiro e amor, e, antes de terminar a frase, observam a expressão do consultor. Assim, eles são capazes de transmitir a mensagem com maior nível de assertividade, utilizando a si mesmo como guia. E você não disse uma palavra! Sim. Você pode não ter dito isso conscientemente, mas suas expressões servem como um guia para o charlatão seguir um caminho ou outro para levar a mensagem do além. Parece espiritual, mas é puro engano.

3. O Escolhido

Este truque é bem administrado.

Os charlatães usam esse truque para ganhar confiança durante uma consulta. Eles dizem algo muito positivo sobre você, colocando-o em uma posição de destaque na vida. Algo como você tem um potencial incrível e não está aproveitando, mas sabe que existe. Quem não quer ouvir que ele é como o Neo do Matrix? Os escolhidos, os diferentes, os cheios de potencial? Sim. Veja que nunca será dito que você é uma pessoa horrível ou algo assim. É sempre positivo e diferenciador, o que afeta nosso ego. Se você ouvir algo nesse sentido, coloque os dois pés para trás, pois as chances de você ser enganado são grandes.

4. Trocas



Esta é, de todas as técnicas, a mais delicada de observar. Sim, é verdade que podemos usar o trabalho espiritual como uma forma de nos relacionarmos com o mundo espiritual. Mas quando lhe forem oferecidas trocas como forma de realizar qualquer que seja o seu desejo, especialmente quando for fútil ou mundano, tenha cuidado. Oferecer comida, sacrificar animais ou realizar rituais fazem parte de algumas religiões, mas um bom centro sempre o guiará para resolver seus problemas através do crescimento que existe escondido nas dificuldades. Superá-los usando um caminho mágico e fácil não faz parte da luz e pode ser muito caro. A espiritualidade não barganha e não muda, acredite. Se esta for a solução apresentada e, principalmente, se custar muito dinheiro, desconsidere e procure outro lugar.

Como saber quando se trata de uma mensagem da luz?

Essa resposta é fácil: observe a mensagem.

Primeiro veja se faz sentido em sua vida, se de fato é algo que foi revelado a você e que coincide com o que você está vivendo ou procurando. Quanto mais secreta a revelação, maior a chance de você estar diante de uma entidade ou fenômeno mediúnico. E, se o conteúdo envolver dinheiro ou prejudicar outras pessoas, você já sabe a resposta.

Embora seja fácil, aplicar essa ideia quando se trata de mediunidade e clarividência é um pouco mais complicado do que parece. Nosso desejo e nosso ego sempre tendem a acreditar, especialmente quando a mensagem parece atender aos nossos desejos ou nos dar aquele sentimento de pertencimento, do escolhido.



Se a solução oferecida é fácil e não envolve o seu próprio crescimento, você está no lugar errado, ouvindo a pessoa errada. Deixe seu ego do lago e abandone seus desejos ao fazer esse julgamento. Outra dica é sempre tentar falar o mínimo possível sobre você e não confirmar ou questionar o que está sendo dito.

Controle suas expressões e deixe o médium ou médium falar sem expressar emoções. E lembre-se de que nem tudo o que é dito é uma frase imutável! O médium pode ter dito algo baseado em uma probabilidade, então as coisas podem mudar. Não se apegue a!