Por que a amizade é ótima para o seu cérebro: um neurocientista explica

Você tem 150 amigos? Porque esse é o número médio de relações sociais estáveis ​​que uma pessoa pode manter.

Este número foi apelidado de ' Número de Dunbar 'depois do cientista Robin Dunbar, que encontrou uma associação entre o tamanho do cérebro dos primatas e o tamanho médio do grupo social (e não se esqueça, você é um primata). O número de Dunbar foi traduzido no número de pessoas que você não ficaria envergonhado se convidasse para tomar um café (ou suco verde) se você as encontrasse em um café.

É óbvio que a amizade é um ingrediente essencial para viver uma vida plena. Mas acontece que a neurociência tem algumas evidências bastante convincentes do poder da amizade na manutenção da saúde e do bem-estar do cérebro à medida que envelhecemos.



A pesquisa da neurociência mostra que estar socialmente conectado protege o cérebro contra o risco de desenvolver demência.

manter-se saudável enquanto trabalha em casa
  • Mulheres com grandes redes sociais (nota: este estudo não incluiu amigas do Facebook!) têm um risco menor de declínio cognitivo à medida que envelhecem.
  • Solidão É associado com mais do dobro do risco de desenvolver demência.
  • Participando de muitas atividades de lazer diferentes constrói a resiliência do cérebro .

Como a interação com as pessoas torna o cérebro resiliente ao envelhecimento?

o que acontece quando você come de forma saudável

Os neurocientistas costumam falar sobre 'reserva cognitiva'. A reserva cognitiva refere-se a quão resiliente a mente é a danos ou declínio do cérebro. Pense nisso como uma poupança para a funcionalidade de nosso cérebro. É a capacidade de criar resistência ao declínio mental e às doenças.

Ter uma vida social saudável envolve naturalmente pensar, sentir, sentir, raciocinar e intuir. Essas atividades estimulantes mentais aumentam nossa reserva de células cerebrais saudáveis ​​e promovem a formação de novas conexões, ou sinapses, entre os neurônios.

Vale a pena cuidar desses bons amigos, porque eles também o ajudarão a viver mais.

PARA meta-análise de 148 estudos , incluindo 300.000 pessoas estudadas ao longo de sete anos, descobriram que pessoas com relacionamentos sociais fortes tinham uma probabilidade maior de sobrevivência (sim, eram menos propensos a morrer) do que aqueles com relacionamentos sociais mais fracos.

como são as pontas duplas?

Aqui está como a solidão e a falta de conexão social se comparam a fatores de risco mais conhecidos:

  • Equivalente a fumar 15 cigarros por dia
  • Equivalente a ser um alcoólatra
  • Mais prejudicial do que não praticar exercícios
  • Duas vezes mais prejudicial que a obesidade

A professora Julianne Holt-Lunstad da Brigham Young University, autora principal do estudo, diz: 'Quando alguém está conectado a um grupo e sente responsabilidade por outras pessoas, esse senso de propósito e significado se traduz em cuidar melhor de si mesmo e correr menos riscos'

Outro dos autores, o professor Timothy Smith, destaca que as conveniências e a tecnologia modernas podem levar algumas pessoas a pensar que as redes sociais não são necessárias.

'Nós consideramos os relacionamentos naturais como humanos - somos como peixes que não percebem a água', disse Smith. 'Essa interação constante não é apenas benéfica psicologicamente, mas diretamente para a nossa saúde física.'

Quer que sua paixão pelo bem-estar mude o mundo? Torne-se um treinador de nutrição funcional! Inscreva-se hoje para participar de nosso próximo horário de atendimento ao vivo.

Propaganda